Dois tipos de viajante

“Existem dois tipos de viajantes: os que viajam pra fugir e os que viajam pra buscar” – Érico Veríssimo

Quando saí de casa em direção à Palestina, não fazia ideia de que tipo de viajante eu seria. A tentação é se declarar de pronto o segundo tipo. Buscar é mais digno do que fugir. Mas então você tem que se perguntar o que está buscando, e é aí que se corre o risco de tirar a beleza da busca. Se você já sabe o que busca, você já tem uma ideia do que pretende encontrar, e só está buscando uma prova de que está certo. Se você não sabe o que busca, sabe do que foge. Quem busca simplesmente paz está fugindo do que lhe causa angústia; quem busca respostas foge das dúvidas.

Só existe um tipo de viajante.

No minuto em que o avião decolou, abri o caderno que minha namorada me deu de presente para escrever meu diário de viagem. Na primeira página ela havia escrito essa frase do Veríssimo. Durante muitos dias essa frase ecoou pra mim com a questão: do que fugir, e o que buscar? Foram dias angustiantes, até que entendi que não deveria buscar nada. Deveria simplesmente assistir com os olhos mais limpos que eu pudesse o mundo que se descortinava pra mim. E foi assim que comecei a encontrar.

Este blog é a tentativa de mostrar o que encontrei aqui, além de organizar informações sobre as organizações do mundo todo que trabalham pela causa palestina, reproduzir textos dos amigos que estão aqui também e, assim, talvez conseguir contribuir com as palestinos da melhor maneira possível: ecoando sua voz.

Qual a sua opinião?